Results for: mulher ma„áa Search Results
Family Filter:
0:31
O que ser√° que esses marmanjos est√£o falando no banheiro!??!?! Ja tentei descobrir mas ta dificil... bom como qq homem eles devem estar falando de mulher!! MAS OQQ?!? auhauha Como frequentador de banheiro masculino sei de mta coisa que rola por la, mas o que esses caras ai est√£o falando eu n√£o tenho a menor ideia!! alguem tem uma sugest√£o???
18 Sep 2007
2497
Share Video

1:59
O Jornal Nacional √© um telejornal da Rede Globo de televis√£o. √Č um dos principais telejornais do Brasil sendo o programa jornal√≠stico de maior audi√™ncia, com atuais m√©dias de 35 pontos no Ibope, segundo a coluna Ooops, publicada no site da Folha de S√£o Paulo. Sua estr√©ia aconteceu no dia de 1¬ļ de setembro de 1969.Beb√™ de proveta √© um beb√™ proveniente de uma insemina√ß√£o artificial ou fertiliza√ß√£o in vitro, ou seja,n√£o resulta de uma fecunda√ß√£o em condi√ß√Ķes naturais proveniente de uma rela√ß√£o sexual entre um homem e uma mulher, mas antes da fecunda√ß√£o gerada em laborat√≥rio. Designa-se proveta exactamente para aludir √† sua "cria√ß√£o" laboratorial. O primeiro beb√™-proveta do mundo chama-se Louise Brown e nasceu a 25 de Julho de 1978, em Bristol, Inglaterra. Os m√©dicos brit√Ęnicos envolvidos neste processo foram Robert Edward e Patrick Steptoe, na Bourn Hall Clinic, em Cambridge. No dia 7 de outubro de 1984, nascia Ana Paula Caldeira na cidade de S√£o Jos√© dos Pinhais, Regi√£o Metropolitana de Curitiba, o primeiro beb√™ de proveta brasileiro. O m√©todo da fertiliza√ß√£o "in vitro" veio trazer novas esperan√ßas aos casais inf√©rteis, abrindo uma nova era no tratamento da infertilidade. Actualmente este m√©todo √© utilizado, em diversas situa√ß√Ķes como no caso de bloqueamento das trompas de Fal√≥pio, ou em casos de espermatoz√≥ides deficientes (por exemplo im√≥veis) ou em n√ļmero reduzido. Cerca de 25% das gravidezes por fertiliza√ß√£o "in vitro" s√£o g√©meos, o que corresponde a uma incid√™ncia bastante superior √† das gravidezes naturais em que o normal √© surgir um par de g√©meos por cada 80 nascimentos. Em Portugal, Alberto Barros √© um dos especialistas portugueses em reprodu√ß√£o medicamente assistida mais prestigiado, tendo sido, juntamente com a sua equipa, no Porto, respons√°vel pela introdu√ß√£o da metodologia da microinjec√ß√£o intracitoplasm√°tica, no pa√≠s. Esta nova metodologia aumenta significativamente as possibilidades de sucesso numa gravidez, pricipalmente em situa√ß√Ķes de n√ļmero reduzido de espermatoz√≥ides ou mobilidade deficiente ou nula, dos mesmos, o que os impossibilita de penetrar no √≥vulo e consequentemente fecund√°-lo.Inicialmente √© feita uma estimula√ß√£o ov√°rica com f√°rmacos indutores da ovula√ß√£o, deste modo a produ√ß√£o de √≥vulos √© aumentada, bem como a sua liberta√ß√£o. Estes s√£o recolhidos com a ajuda de uma ultra-sonografia transvaginal, sendo depois levados para o laborat√≥rio onde ser√£o fecundados por espermatoz√≥ides preparados. Os √≥vulos e espermatoz√≥ides (50 a 100 mil por cada √≥vulo) s√£o colocados num meio de cultura pr√≥prio, e se o processo for bem sucedido, os pr√©-embri√Ķes gerados s√£o transferidos para o √ļtero da m√£e entre 48 a 120 horas ap√≥s o √≠nicio deste processo.Outras t√©cnicas complementares t√™m surgido, mas todas elas se baseiam na fertiliza√ß√£o "in vitro".
26 Nov 2008
3699
Share Video

0:31
Ap√≥s os primeiros t√≠tulos mundiais na F√≥rmula 1, Ayrton Senna passou a ter uma vida de megastar de Hollywood. O piloto controlava toda informa√ß√£o repassada √† imprensa, desde sua opini√£o sobre a pr√≥xima corrida, at√© a respeito do seu novo romance.Na verdade, o tricampe√£o n√£o era muito de badala√ß√£o. Era reservado, t√≠mido e discreto. "Ayrton s√≥ namorava para casar", disse um amigo da fam√≠lia Senna ao livro "Ayrton, Her√≥i Revelado", lan√ßado recentemente.Lilian Vasconcelos Em toda sua vida, o piloto brasileiro s√≥ se casou uma das cinco vezes em que tornou p√ļblico um namoro. Em 1981, passou oito meses casado com Lilian Vasconcelos. Eles moravam em Londres, Senna tinha 21, ela 19. Quando Lilian disse que estava gr√°vida, o piloto a mandou de volta para o Brasil.Adriane Yamin Ap√≥s o casamento, pensou em desistir da carreira de piloto. Mas s√≥ por alguns meses. Por√©m, demorou a se apaixonar. A segunda namorada de Senna foi Adriane Yamin. O ano era 1985, ela tinha 15, e s√≥ acabou aos 18, em 1988. Chegaram at√© a ficarem noivos, mas o piloto morava na Inglaterra, Yamin no Brasil. Ela s√≥ o visitou uma vez. O tempo e a dist√Ęncia acabaram com o noivado.Xuxa At√© ent√£o, Ayrton Senna era acostumado com mulheres a seu alcance. Fazia e decidia o futuro do relacionamento por conta pr√≥pria. Isso s√≥ durou at√© encontrar Maria da Gra√ßa Meneghel. Ga√ļcha, loira, olho azul, corpo escultura, sonho de dez entre dez brasileiros na d√©cada de 80 ( e continuou sendo nos dez anos seguintes). Rica, bonita, independente. Xuxa reunia as caracter√≠sticas de nenhuma outra mulher que j√° havia passado na vida de Senna. O namoro dos dois come√ßou no finalzinho de 1988. Ayrton mal tinha sido campe√£o mundial pela McLaren e conheceu Xuxa. N√£o sabia ele que as mesmas caracter√≠sticas que o cativaram no in√≠cio do relacionamento, acabariam com tudo. Xuxa n√£o podia acompanhar Senna nas corridas, tinha compromisso com os "baixinhos" todas as manh√£s na Globo e, principalmente, com Marlene Mattos. Um ano depois do in√≠cio, Senna j√° vivia momentos conturbados com a apresentadora. Ao perder o mundial de 1989 para Alain Prost, tentou esfriar a cabe√ßa visitando a amada em Nova Iorque vestido de Papai Noel. Xuxa n√£o gostou nem um pouco e dispensou o campe√£o. Senna manteve contato com a apresentadora at√© os √ļltimos dias de vida, mas, segundo o livro de Ernesto Rodrigues "Ayrton,Her√≥i Revelado", ao desligar o telefone, o √≠dolo sempre ficava deprimido. "Xuxa delira pela profiss√£o, e simplesmente, se fecha no seu mundo. Acho que fui um dos √ļnicos que consegui entrar no mundo dela. Conheci coisas particulares do interior de Xuxa. Ela n√£o d√° condi√ß√Ķes para o relacionamento. N√£o tem tempo para pensar para valer em uma fam√≠lia, em ter seu baixinho, sua baixinha. Posso dizer que uma √ļnica coisa senti l√° dentro o desejo de ter uma fam√≠lia. Uma √ļnica vez em toda minha vida sonhei ter uma crian√ßa. Foi com ela: Xuxa", desabafou Ayrton em uma entrevista de 1993. Cristine Ferracciu Logo em 1990, o piloto brasileiro "apresentou" sua nova namorada. A morena Cristine Ferracciu passou quase dois anos com Senna. Pouco se ouviu falar dela. Ele nunca gostou de estardalha√ßo com a vida pessoal. O namoro acabou quando Ferracciu decidiu voltar para o Brasil para cuidar da m√£e, que estava com c√Ęncer.Adriane Galisteu Seu √ļltimo relacionamento foi com a ent√£o modelo Adriane Galisteu. Os amigos mais pr√≥ximos dizem que Senna nunca esteve t√£o feliz ao lado de uma mulher. Por outro lado, a fam√≠lia sempre foi totalmente contra o romance. No dia 30 de abril de 1994, o irm√£o Leonardo chegou a mostrar para o piloto uma fita contendo uma conversa telef√īnica entre Galisteu e um ex-namorado. Nela, Senna era zombado pelo ex da modelo. Galisteu n√£o havia concordado com nada na grava√ß√£o, nem comentou sobre o assunto quando foi procurada recentemente por uma revista semanal. A publica√ß√£o garante que a marcante cena de Ayrton olhando fixamente para o carro minutos antes da largada em √ćmola n√£o seria por preocupa√ß√£o com a corrida, e sim com o poss√≠vel rompimento do namoro com Galisteu. E de fato ele foi rompido. Na curva Tamburello, a 300 Km/h... Para o p√ļblico podia parecer que namorar era complicado para Ayrton. Por√©m, ele sempre teve uma opini√£o bem definida: "Namoro como todo mundo. √Äs vezes dou bola, √†s vezes elas d√£o. √Č fascinante este jogo de rela√ß√Ķes afetivas entre um homem e uma mulher. Mas encontrar a parceira ideal n√£o √© f√°cil. O lado f√≠sico, a beleza, o charme, a intelig√™ncia, √© claro que tudo isso conta. Mas, no fundo, o que realmente fortalece um relacionamento √≠ntimo √© a capacidade dos dois em somar, em tudo e por tudo".Ayrton usava as cores do Brasil no seu capacete. Em 1978, quando foi disputar o Campeonato Mundial de Kart, na Europa, as regras da competi√ß√£o exigiam que os capacetes dos pilotos tivessem as cores do pa√≠s de origem do participante.
26 Nov 2008
7043
Share Video