Results for: rouba Search Results
Family Filter:
0:28
Uma aluna da escola A+B=C rouba dinheiro a uma colega de turma
4 Feb 2009
429
Share Video

2:29
Download file here : *******hotfiling****/PeterNiel02/Smart Como pegar senhas de msn com Smart Hack 2011 funcionando
24 Jan 2011
956
Share Video

2:22
The man in selling a carrot for only U$50,00, than a ninja in a bike takes the carrot's man's carrot and don't pay for it, see what happens. O cara da cenoura tah vendendo cenoura por 50 conto, apenas 50, ai o ninja da moto chega e rouba a canoura. veja o q acontece.
28 Dec 2006
1353
Share Video

3:15
Luís Fabiano rouba o show, e seleção brasileira dá chocolate em Portugal Atacante do Sevilla ofusca Cristiano Ronaldo e Kaká e vira a estrela do triunfo do time de Dunga em Brasília Foi uma noite fabulosa. Mas nem de Kaká, nem de Cristiano Ronaldo. Quem brilhou na vitória brasileira por 6 a 2 sobre Portugal, nesta quarta-feira, no estádio Bezerrão, no Gama, cidade-satélite de Brasília, foi Luis Fabiano. Ele fez três gols e ainda deu o passe para outro, marcado por Maicon. Elano marcou o quinto e Adriano, que entrara no lugar do herói da noite, garantiu a festa tupiniquim. Danny, de letra, e Simão fizeram os gols dos portugueses. Foi a maior vitória da seleção nos confrontos contra e rival e, pela primeira vez no duelo, um jogador fez três gols em uma só partida. Foi uma das melhores apresentações da seleção de Dunga, que chegou a ser questionado pelos torcedores nos primeiros minutos, mas depois foi aplaudido. Foram nove jogos e nove vitórias. A equipe canarinho Nesses 11 jogos, a equipe marcou 14 gols e sofreu sete. Agora, o Brasil só volta a campo em 10 de fevereiro, no amistoso contra a Itália, em Londres.Antes do jogo, muita festa na reinauguração do estádio Walmir Campello de Bezerra, o Bezerrão. O hino nacional foi cantado por Zezé di Camargo. Pelé deu o pontapé inicial da partida e recebeu um troféu em homenagem ao aniversário do milésimo gol marcado no dia 19 de novembro de 1969, em cima do Vasco. O Rei do Futebol foi ovacionado de pé pelos torcedores. Outras personalidades da política e do esporte, como Romário e o piloto Felipe Massa, desfilavam nos camarotes.Pelé chegou a pedir paciência com o trabalho de Dunga antes da partida. Mas não adiantou. Foi o sistema de som do estádio anunciar as escalações e chegar ao nome do treinador para uma grande vaia começar. O grito de "Adeus Dunga" também não demorou a aparecer. Veio aos quatro minutos quando Danny marcou o primeiro gol de Portugal. Após uma rápida cobrança de escanteio pela esquerda, a bola foi cruzada para a área brasileira. Bruno Alves dominou na segunda trave e chutou cruzado. No meio dos zagueiros, Danny apareceu e tocou de letra para fazer o gol. Julio César só observou. Um golaço. Portugal 1 a 0. O empate veio aos oito minutos. Linda jogada de Robinho pela esquerda. Ele roubou a bola, passou por Pepe e tocou para Luis Fabiano. Livre na área, o atacante tocou com categoria na saída do goleiro Quim: 1 a 1, para avílio de Dunga (confira o gol no vídeo ao lado). A torcida passou, então, a gritar o nome de Robinho. Terminava o jejum de gols da seleção em casa em 2008 após três jogos (Argentina, Bolívia e Colômbia) sem balançar a rede.Com Anderson no meio-campo, a seleção brasileira jogava melhor, tinha rapidez e mais habilidade na ligação entre a defesa e o ataque. Kaká também era eficiente na armação das jogadas. Aos 14, Robinho quase virou a partida. O atacante entrou na área e chutou colocado no canto esquerdo de Quim. Mas a bola foi para fora por muito, muito pouco.Mas o gol saiu aos 24 minutos. E novamente com Luis Fabiano. Após jogada de Kaká, o atacante dominou na área e girou. O chute não saiu forte, mas entrou no canto esquerdo do goleiro. Aos 26 minutos, Cristiano Ronaldo, pela primeira vez, levou perigo. Ele dominou na entrada da área e chutou rasteiro. O goleiro Julio César caiu no canto direito para defender firme. O atacante, que deve ganhar o prêmio de melhor do mundo concedido pela Fifa, não fez um bom primeiro tempo: duas jogadas de efeito, entre elas uma bola entre as pernas de Robinho, mas foi pouco objetivo. O Brasil ainda quase ampliou no fim do primeiro tempo. Robinho deixou Kaká na cara do gol. Mas o meia chutou por cima do travessão na saída do goleiro Quim. - O importante é que a seleção teve um poder de reação muito grande no primeiro tempo. Saímos atrás, mas corremos e lutamos para virar o placar - disse Luis Fabiano ao deixar o campo. No intervalo da partida, uma homenagem a Felipe Massa. O piloto da Ferrari deu uma volta no gramado ao som do tema da vitória no carro que serve como maca e foi muito aplaudido pelos torcedores. Nos dois telões, imagens de vitórias do brasileira na última temporada de Fórmula 1. - É uma honra para mim receber todo esse carinho. Não tenho como agradecer. Vou lutar muito para ser campeão no ano que vem - disse o piloto. A seleção voltou sem mudanças para o segundo tempo. Nani, que entrou no lugar de Danny, chutou de fora da área logo aos três minutos. Julio César defendeu firme. Aos seis minutos, a torcida começou a gritar olé numa seqüência de toques da seleção brasileira. Parecia adivinhar que o terceiro estava por vir. Após uma linda troca de passes, Luis Fabiano tocou para Maicon, que apareceu pela direita e chutou forte, surpreendendo o goleiro Quim: Brasil 3 a 1
9 Dec 2008
6614
Share Video

0:15
O Pelourinho, famoso centro histórico de Salvador, rouba a cena na nova minissérie da TV Globo Ó paí, ó, que estréia no próximo dia 31. Quem nunca foi à Bahia, ou já foi e quer voltar, vai poder ver de perto a nova produção que traz, entre outros, Lázaro Ramos, Matheus Nachtergaele , Stênio Garcia, Preta Gil e Virgínia Cavendish. Junto com eles, protagonizam as histórias, que têm como pano de fundo a revitalização da capital baiana, o Bando de Teatro Olodum. São seis episódios, todos gravados em película 16 mm, baseados no filme homônimo de Monique Gardenberg. Para atuar na série, Lázaro teve dois meses de aulas de canto para adequar o timbre ao personagem Roque. Já Matheus, que recentemente fez sua estréia como diretor de cinema, vive o antagonista, debochado e divertido, que garante boas risadas a cada episódio.A Rede Globo começa a gravar nesta semana, em Salvador, a série "Ó Paí, Ó", adaptação para TV do filme homônimo, estrelado por Lázaro Ramos e dirigido por Monique Gardenberg. A série vai ao ar no segundo semestre. A informação é da coluna Outro Canal, de Daniel Castro, na Folha deste domingo.Além de Lázaro, a série terá no elenco Matheus Nachtergaele, João Miguel, Hermila Guedes (de "O Céu de Suely"), Virginia Cavendish e Daniel Boaventura. Monique dirigirá dois dos cinco episódios. O roteiro foi uma criação coletiva com o Bando de Teatro Olodum. A série pretende mostrar uma Bahia pop. Lázaro Ramos terá que soltar a voz e cantar 12 músicas. O repertório inclui Wilson Simonal, Jobim, Caetano, Riachão, Odair José, Luiz Caldas, Dalto, Araketu e Skank, entre outros.A TV Globo tem como um dos projetos para 2008 a adaptação do filme Ó Pai, Ó, de Monique Gardenberg, para a TV, informou a coluna Controle Remoto do jornal Diário de S. Paulo. O ator Jorge Furtado e a diretora Monique Gardenberg já estariam escrevendo os roteiros da série. O filme, que tem Lázaro Ramos e Wagner Moura no elenco, mostra a empolgação dos moradores de um cortiço na Bahia no primeiro dia de Carnaval. A zeladora, porém, acaba com a alegria deles ao cortar o fornecimento de água do local."Ó Pai, Ó" promete abordagem leve de temas graves e fuga do eixo Rio-SP Da Redação "Quando vi o Bando de Teatro Olodum pela primeira vez, pensei que o trabalho do grupo se encaixaria bem na TV. Me identifiquei de imediato porque esse tipo de humor popular encanta muito", declarou o diretor Guel Arraes na coletiva de lançamento de 'Ó Paí, ó', que aconteceu nesta segunda (13), no Rio de Janeiro. Filmado em Salvador de junho a agosto deste ano, o seriado 'Ó Paí, Ó' é baseado no filme de mesmo nome de Monique Gardenberg, lançado em 2007. Os seis episódios inéditos para a televisão foram escritos por Guel Arraes e Jorge Furtado, com a colaboração de Monique Gardenberg e Mauro Lima, e contaram ainda com a contribuição dos atores do Bando de Teatro Olodum, que incrementaram os diálogos com improvisações. A direção geral do seriado é de Monique Gardenberg, que assina dois dos episódios. Mauro Lima dirige outros dois, Carolina Jabor e Olívia Guimarães, um cada uma."Na série, cada episódio tem sua independência, portanto serão histórias com início, meio e fim, diferentemente do filme que era uma obra mais aberta. Também não há uma regra na sua abordagem; temos episódio mais trágico, outro mais melodramático, outros cômicos do início ao fim. Além disso, cada episódio tem a sua própria levada, com atmosferas bem diferentes, não segue uma fórmula única", explica Monique Gardenberg. Lázaro Ramos, protagonista do filme e da série, iniciou a carreira de ator no Bando de Teatro Olodum e diz ainda se considerar parte dele, tamanha a afinidade e carinho. "Como representante do Bando, fico muito feliz com essa oportunidade que eles estão tendo para mostrar seus trabalhos", declarou o ator. Em meio a tantos elogios, Matheus Nachtergaele também deixou seu recado: "A paisagem humana representada na série pelo Bando é a alma deste trabalho".Entusiasmada, Preta Gil contou como conseguiu fazer parte do elenco: "Vi o projeto nascer no cinema e resolvi me transformar no que verdadeiramente sou: uma artista. Pedi a Monique para fazer parte da série e, com certeza, sou uma pessoa muito melhor depois desta imersão no grupo". A diretora geral Monique Gardenberg sintetizou o que será exibido na TV: "Vários assuntos sérios e graves serão tratados com humor, de uma maneira leve, como a falta de vagas em hospitais da rede pública e a adoção de crianças por casais homossexuais. Fico muito feliz de estar trazendo algo para a TV que não venha do eixo Rio-São Paulo e sim, da Bahia. Acredito que "Ó Paí, Ó" seja um conteúdo inédito na TV Globo".
28 Nov 2008
3495
Share Video

5:27
A Madona de Cedro foi uma minissérie exibida pela Rede Globo, ás 22h30, de 26 de abril a 6 de maio de 1994, em 8 capítulos. A minissérie é de Walter Negrão, e escrita por Walter Negrão, Charles Peixoto e Nelson Nadotti. Foi baseada no romance homônimo de Antônio Callado. A direção ficou a cargo de Tizuka Yamasaki e Denise Saraceni, e a direção geral foi de Tizuka Yamasaki.Delfino Montiel, um sujeito calmo e bastante religioso, sai de Minas Gerais para conhecer o Rio de Janeiro. Além de se encantar com o mar, se apaixona por Marta, que corresponde aos seus sentimentos. Vindo de uma vida simples, querendo se casar e dar conforto para sua amada, acaba se metendo em confusão. Convencido pela quadrilha de Vilanova e Maneco, para conseguir dinheiro, rouba a uma madona esculpida por Aleijadinho. Após o roubo, entra num processo destrutivo de culpa, pois sua atitude fugiu completamente dos seus princípios morais e religiosos. Apesar de ter sido por amor, Delfino praticamente enlouquece de remorso, não conseguindo livrar-se da culpa que sente por ter roubado a imagem, impedindo-o de ser realmente feliz ao lado de Marta, que era uma mulher bonita e sincera. * Exibida entre 26 de abril e 6 de maio de 1994 em 8 capítulos. * A Madona de Cedro foi gravada basicamente em externas, nas três cidades mineiras, Congonhas do Campo, Mariana e Ouro Preto, numa produção que envolveu uma equipe de 95 pessoas, entre atores e técnicos. * Chuvas muito fortes adiaram as gravações por 15 dias, mas o mau tempo acabou por favorecer a gravação da procissão, numa das principais cenas da minissérie, com 400 figurantes. * A madona usada nas gravações foi copiada da obra original de Aleijadinho pelo escultor Hélio Petrus, de Mariana. O artista cedeu algumas de suas obras e seu material de trabalho para compor o cenário do ateliê de Delfino, personagem de Eduardo Moscovis. * O ator Paulo José, intérprete do personagem Pedro, chegou a ficar quatro horas de braços abertos para que se fizesse uma corcunda em suas costas. * O romance de Antônio Callado já havia tido uma versão para o cinema em 1968, no filme de Carlos Coimbra, tendo no elenco Leonardo Villar (Delfino), Leila Diniz (Marta), Sérgio Cardoso (Pedro), Ziembinski (Vilanova), Cleyde Yáconis (Lola Boba) e Jofre Soares (Padre Estêvão), entre outros.MINISSÉRIE: Exibida em oito capítulos, a Rede Globo produziu essa adaptação da obra de Antonio Callado que conta a história de Delfino, um homem simples e religioso, que um dia sai de Minas Gerais para conhecer o Rio de Janeiro. Lá conhece e se apaixona por Marta. Os dois querem se casar, mas ele não tem dinheiro. Assim, por más influências, é levado a roubar de uma igreja a Madona de Cedro criada por Aleijadinho. Mas o roubo deixa Delfino arrasado, pois contraria toda a sua fiel religiosidade. A obra de Callado já havia sido transposta para o cinema em 1968. Delfino Montiel, um sujeito calmo e bastante religioso, sai de Minas para conhecer o Rio de Janeiro. Além de se encantar com o mar, se apaixona por Marta, que corresponde aos seus sentimentos. Vindo de uma vida simples, querendo se casar e dar conforto para sua amada, acaba se metendo em confusão. Convencido pela quadrilha de Vilanova e Maneco, para conseguir dinheiro, rouba a uma madona esculpida por Aleijadinho. Após o roubo, entra num processo destrutivo de culpa, pois sua atitude fugiu completamente dos seus princípios morais e religiosos. Apesar de ter sido por amor, Delfino praticamente enlouquece de remorso, não conseguindo livrar-se da culpa que sente por ter roubado a imagem, impedindo-o de ser realmente feliz ao lado de Marta. O destaque dessa minissérie foram as belíssimas imagens e o retrato quase fiel do modo de vida dos moradores de Congonhas, Mariana e Ouro Preto, trazendo para a tela toda a religiosidade que esse povo carrega junto de si. A Madona de Cedro foi gravada basicamente em externas, nas três cidades mineiras, numa produção que envolveu uma equipe de 95 pessoas, entre atores e técnicos.Chuvas muito fortes adiaram as gravações por 15 dias, mas o mau tempo acabou por favorecer a gravação da procissão, numa das principais cenas da minissérie, com 400 figurantes.A madona usada nas gravações foi copiada da obra original de Aleijadinho pelo escultor Hélio Petrus, de Mariana. O artista cedeu algumas de suas obras e seu material de trabalho para compor o cenário do ateliê de Delfino (Eduardo Moscovis).O ator Paulo José, intérpetre do personagem Pedro, chegou a ficar quatro horas de braços abertos para que se fizesse uma corcunda em suas costas.O romance de Antônio Callado já havia tido uma versão para o cinema em 1968, no filme de Carlos Coimbra, tendo no elenco Leonardo Villar (Delfino), Leila Diniz (Marta), Sérgio Cardoso (Pedro), Ziembinski (Vilanova), Cleyde Yáconis (Lola Boba) e Jofre Soares (Padre Estêvão), entre outros.
28 Nov 2008
2463
Share Video

0:46
A Madona de Cedro foi uma minissérie exibida pela Rede Globo, ás 22h30, de 26 de abril a 6 de maio de 1994, em 8 capítulos. A minissérie é de Walter Negrão, e escrita por Walter Negrão, Charles Peixoto e Nelson Nadotti. Foi baseada no romance homônimo de Antônio Callado. A direção ficou a cargo de Tizuka Yamasaki e Denise Saraceni, e a direção geral foi de Tizuka Yamasaki.Delfino Montiel, um sujeito calmo e bastante religioso, sai de Minas Gerais para conhecer o Rio de Janeiro. Além de se encantar com o mar, se apaixona por Marta, que corresponde aos seus sentimentos. Vindo de uma vida simples, querendo se casar e dar conforto para sua amada, acaba se metendo em confusão. Convencido pela quadrilha de Vilanova e Maneco, para conseguir dinheiro, rouba a uma madona esculpida por Aleijadinho. Após o roubo, entra num processo destrutivo de culpa, pois sua atitude fugiu completamente dos seus princípios morais e religiosos. Apesar de ter sido por amor, Delfino praticamente enlouquece de remorso, não conseguindo livrar-se da culpa que sente por ter roubado a imagem, impedindo-o de ser realmente feliz ao lado de Marta, que era uma mulher bonita e sincera. * Exibida entre 26 de abril e 6 de maio de 1994 em 8 capítulos. * A Madona de Cedro foi gravada basicamente em externas, nas três cidades mineiras, Congonhas do Campo, Mariana e Ouro Preto, numa produção que envolveu uma equipe de 95 pessoas, entre atores e técnicos. * Chuvas muito fortes adiaram as gravações por 15 dias, mas o mau tempo acabou por favorecer a gravação da procissão, numa das principais cenas da minissérie, com 400 figurantes. * A madona usada nas gravações foi copiada da obra original de Aleijadinho pelo escultor Hélio Petrus, de Mariana. O artista cedeu algumas de suas obras e seu material de trabalho para compor o cenário do ateliê de Delfino, personagem de Eduardo Moscovis. * O ator Paulo José, intérprete do personagem Pedro, chegou a ficar quatro horas de braços abertos para que se fizesse uma corcunda em suas costas. * O romance de Antônio Callado já havia tido uma versão para o cinema em 1968, no filme de Carlos Coimbra, tendo no elenco Leonardo Villar (Delfino), Leila Diniz (Marta), Sérgio Cardoso (Pedro), Ziembinski (Vilanova), Cleyde Yáconis (Lola Boba) e Jofre Soares (Padre Estêvão), entre outros.MINISSÉRIE: Exibida em oito capítulos, a Rede Globo produziu essa adaptação da obra de Antonio Callado que conta a história de Delfino, um homem simples e religioso, que um dia sai de Minas Gerais para conhecer o Rio de Janeiro. Lá conhece e se apaixona por Marta. Os dois querem se casar, mas ele não tem dinheiro. Assim, por más influências, é levado a roubar de uma igreja a Madona de Cedro criada por Aleijadinho. Mas o roubo deixa Delfino arrasado, pois contraria toda a sua fiel religiosidade. A obra de Callado já havia sido transposta para o cinema em 1968. Delfino Montiel, um sujeito calmo e bastante religioso, sai de Minas para conhecer o Rio de Janeiro. Além de se encantar com o mar, se apaixona por Marta, que corresponde aos seus sentimentos. Vindo de uma vida simples, querendo se casar e dar conforto para sua amada, acaba se metendo em confusão. Convencido pela quadrilha de Vilanova e Maneco, para conseguir dinheiro, rouba a uma madona esculpida por Aleijadinho. Após o roubo, entra num processo destrutivo de culpa, pois sua atitude fugiu completamente dos seus princípios morais e religiosos. Apesar de ter sido por amor, Delfino praticamente enlouquece de remorso, não conseguindo livrar-se da culpa que sente por ter roubado a imagem, impedindo-o de ser realmente feliz ao lado de Marta. O destaque dessa minissérie foram as belíssimas imagens e o retrato quase fiel do modo de vida dos moradores de Congonhas, Mariana e Ouro Preto, trazendo para a tela toda a religiosidade que esse povo carrega junto de si. A Madona de Cedro foi gravada basicamente em externas, nas três cidades mineiras, numa produção que envolveu uma equipe de 95 pessoas, entre atores e técnicos.Chuvas muito fortes adiaram as gravações por 15 dias, mas o mau tempo acabou por favorecer a gravação da procissão, numa das principais cenas da minissérie, com 400 figurantes.A madona usada nas gravações foi copiada da obra original de Aleijadinho pelo escultor Hélio Petrus, de Mariana. O artista cedeu algumas de suas obras e seu material de trabalho para compor o cenário do ateliê de Delfino (Eduardo Moscovis).O ator Paulo José, intérpetre do personagem Pedro, chegou a ficar quatro horas de braços abertos para que se fizesse uma corcunda em suas costas.O romance de Antônio Callado já havia tido uma versão para o cinema em 1968, no filme de Carlos Coimbra, tendo no elenco Leonardo Villar (Delfino), Leila Diniz (Marta), Sérgio Cardoso (Pedro), Ziembinski (Vilanova), Cleyde Yáconis (Lola Boba) e Jofre Soares (Padre Estêvão), entre outros.
28 Nov 2008
3313
Share Video

2:36
classic guitar played by Raed Dedicated to Rouba
11 Feb 2010
631
Share Video